Todos os posts sobre PAPO DE GAROTO
Por Daniel Saraiva em 10 de agosto de 2016
Fugir de um problema nunca será a melhor opção, mas em alguns casos, insistir para resolver se torna destrutivo psicologicamente, não é mesmo? Pense só no quanto sua vida está se repetindo e os problemas parecem não ter fim, e quando você finalmente se vê livre de um, rapidamente vem outro. Desgastante é a palavra certa e você começa a se perguntar se essa é a vida que tanto queria. Meu conselho em relação a tudo isso? Viaje. Pode parecer meio imaturo ou mesmo radical demais, afinal, quem vai largar praticamente tudo do nada para se aventurar no desconhecido? Mas percebem o efeito dessa última frase na sua vida ou mesmo o quanto essa palavrinha desconhecida causa uma sensação diferente? Talvez seja isso que você precise, de uma quebra de rotina, de um diferencial pro seu cotidiano. Podem até pensar que falar é fácil, mas acredite, viajar não é tão difícil quanto pensa, basta querer.
Imagine agora o seu problema e em seguida analise o seu tamanho. Qual deles é maior? Agora pegue o seu problema e o compare com o mundo. Qual deles se torna maior? Talvez quando você começar a explorar  1% desse vasto mundo que habitamos encontrará saída para sua exaustiva rotina. Aprendi que algumas vezes é preciso fugir do problema, não para se esconder, mas para vê-lo de longe e assim ter uma perspectiva diferente olhando de fora. Viajar não é tão fácil, eu sei, não se trata de juntar tudo e sair pela primeira estrada, temos obrigações e deveres que infelizmente nos prendem a esse cotidiano, mas não as use como justificativa para ficar. Use-as como um motivo a mais para sair por um tempo, isso não será irresponsabilidade, mas amor pela vida e principalmente por você mesmo, sentimento que muitas vezes esquecemos de alimentar.
Viajar não vai te curar de tudo, mas te fará mudar em muita coisa, por isso, viaje. Se você está preso a milhares de coisas que não te permitem sair, desate todos esses nós e não perca tempo: viaje. Talvez quando estiver no avião e vir lá de cima pessoas em tamanho de formigas, perceberá que os problemas não são tão grandes quanto se pensa. Começará a ver o mundo por uma perspectiva diferente, verá sua vida de uma maneira diferente, pois afinal você estará fora dela por um tempo.
Não viemos ao mundo para viver uma vida de tormento. Viajar não te faz um covarde, mas te dá a oportunidade de sair de um lugar que não está te acrescentando nada. Em algumas situações colocamos inúmeros empecilhos para nos prendermos ao mesmo lugar, mas não custa insistir, mudar. Entenda, não estou pedindo para que fuja e sim para que você se ausente durante alguns dias, pois acredito que é isso que você precisa. Não importa o lugar, desde que você vá.

 

Acredite no que digo, viajei e me curei de muitos problemas que achava sem solução mas que precisava apenas enxergar de um outro ângulo. Precisava de um tempo para respirar e para esquecê-los, mesmo que por algumas horas, para assim começar a ver outras coisas nas quais sou realmente bom, porque um problema te traz cada vez mais para baixo. Viaja te impulsiona, te faz ir além. Eu viajo sempre que posso. E você, que tal viajar também?

Abraços!
Por Daniel Saraiva em 22 de agosto de 2014

 

Há três anos, a partir de uma ideia meio louca, nasceu o blog Garotos in Foco. No decorrer dos anos ele trouxe informações voltadas para o público masculino e logo ganhou a identidade de um blog de variedade, trazendo postagens ao gosto do leitor. No início desse ano ele assumiu a identidade de Garoto in Foco, tendo assim a retirada de um “s” mas que por mais insignificante que possa parecer, me incomodava bastante. O “s” era o que fazia muitos esquecerem a sua história para notar mais em relação ao conteúdo. Muitas pessoas passaram por essa página virtual e se identificaram com o blog, mas, e o blogueiro, como fica? Acabou ficando em segundo plano, pois o blog visava agradar mais ao seu público do que ao autor. Com isso, o Garoto in Foco perdia a identidade e se tornava tão comum quanto muitos outros blogs de moda e variedade, nos quais quem está por trás dele não é notado.

Não criei este espaço com o objetivo de possuir a fama ou o reconhecimento que muitos almejam. Criei para que fosse meu quarto, onde constantemente pudesse receber pessoas de todos os lugares do mundo e onde elas pudessem se identificar e se aconchegar. Somos garotos e sabemos bem como é nosso quarto e o quanto ficamos à vontade nele, e quanto mais bagunçado, mais nosso e aconchegante ele se torna. Mas, ao chegar uma visita, acabamos tendo que arrumar o espaço para que ela não veja a bagunça em que ele se encontra, porém não percebemos que ao fazermos isso, estamos tirando nossa identidade daquele espaço para agradar o visitante. O quarto arrumado perde sua essência e se torna apenas mais um compartimento da casa ao invés de um espaço individual, o que acaba impedindo que a visita lhe conheça melhor. Somente após ela voltar algumas vezes é que você acaba se acostumando à sua presença e, aos poucos vai deixando de lado a preocupação em arrumá-lo. Assim são vocês, que já estão familiarizados com este espaço e não preciso mais arrumar tudo para esperá-los; já me sinto à vontade para recebê-los. Foram três anos maravilhosos, mas agora o blog vai assumir uma identidade própria, uma bagunça que tem mais a ver comigo. Onde quero chegar com tudo isso? À conclusão de que nesse blog vocês entrarão não para procurar informações, mas para se aconchegarem e se identificarem mais com quem faz.
 
Não pretendo transformá-lo em revista virtual ou mesmo um site, gosto deste espaço como blog, pois ganha uma identidade mais minha, pessoal e única. Este espaço será mais ao meu gosto, afinal não é isso que um blog aborda, o estilo de cada blogueiro? E quanto ao papel do leitor? Ler aquele blog que retrata mais a identidade do blogueiro e com o qual mais se identifica. 
Este espaço não se tornará um diário virtual, será apenas um quarto onde foi escolhida minha decoração. Moda, dúvidas, curiosidades, noticias e dicas irão continuar? Sim, este espaço continuará com tudo aquilo que já possui, porém não será mais Garoto in Foco escrito por Daniel Saraiva e sim Daniel Saraiva que escreverá para o Garoto in Foco. Não indicarei coisas das quais não gosto e não mostrarei postagens que fujam do meu estilo, assim como também não vestirei roupas somente por serem tendência.
 
E o que acontecerá com o “s” que mudava o segmento deste espaço e fazia ele abranger um público mais amplo? O “s” continuará no blog, porém terá um novo significado: irá representar a funcionalidade principal de um quarto: os “sonhos que existem ali dentro, que sabemos que só poderão ser sonhados ali e que serão compartilhados aqui no quarto. Vocês conhecerão um lado que a muitos ainda não conhecem – meu lado sonhador. Um lado onde sonho com meu futuro, com um mundo melhor, seja um sonho pequeno ou grande, para mim todos têm importância. O que nos faz acordar todos os dias não é o despertador, mas o seu “eu”, que espera que você traga para a realidade aquele sonho que todas as noites,  ao deitar no seu travesseiro, toma conta da sua mente.
Por Daniel Saraiva em 30 de abril de 2014
 
1. Ter ficado tanto tempo naquele trabalho que não significava nada para você;
2. Não ter aprendido outras línguas, e ter deixado passar a oportunidade de conhecer pessoas incríveis por não conseguir se comunicar com elas;
3. Ter prejudicado a sua saúde por causa do stress daquele trabalho que no futuro não significou tanto assim;
4. Não ter dito para as pessoas que você ama o quanto elas são importantes para você;
5. Ter perdido vários momentos importantes (e que não voltam mais) do crescimento dos seus filhos porque você estava ocupado demais com qualquer outra coisa;
 
6. Ter se importado com pessoas que mais tarde não estariam presentes na sua vida;
7. Não ter se alongado o bastante, e depois ter tido que lidar com várias dores que poderiam ter sido evitadas;
8. Ter ficado tanto tempo empurrando com a barriga um relacionamento que já não te acrescentava mais;
9. Não ter percebido o quanto você era bonito(a).
10. Ter passado tanto tempo decorando coisas que não faziam sentido para você – e que você de fato nunca usou na vida;
11. Não ter usado filtro solar.
12. Ter ficado com medo de coisas que, no futuro, você viu que não tinha porque temer;
13. Ter trabalhado a vida toda para realizar o sonho de outra pessoa, e ter deixado os seus de lado.
14. Ter passado a vida inteira trabalhando para ganhar dinheiro, para comprar coisas e impressionar pessoas. E perceber que no final o esforço não valeu tanto a pena assim;
15. Ter viajado muito pouco, porque você sempre acreditou que haveria um melhor momento para fazer isso no futuro – e esse momento nunca chegou.
16. Não ter experimentado (ou repetido) aquele prato delicioso que você nunca mais encontrou em nenhum lugar onde foi;
17. Ter acreditado nas pessoas que disseram que você estava ficando louco ao querer correr atrás de um sonho – e ter desistido dele por isso;
18. Não ter se esforçado o bastante e por isso ter perdido aquela chance única que nunca mais voltou a aparecer;
19. Ter perdido a chance de conversar mais com seus avós.
20. Ter perdido muito tempo com entretenimentos do tipo TV, seriados e vídeo games, para só depois perceber que esse tempo não voltava mais;
21. Ter passado tanto tempo tentando convencer os outros de que você era uma pessoa diferente – sem sucesso;
22. Ter perdido a chance de ir naquele show do seu cantor favorito – e depois nunca mais ter conseguido ir porque ele se aposentou ou morreu.
23. Não ter viajado quando você podia – e depois não ter podido mais fazê-lo por causa de outras responsabilidades que foram surgindo no caminho;
24. Não ter falado OI para ela(e) na fila do supermercado e nunca mais ter cruzado com ela(e) na vida;

 

25. Ter passado tantos anos dentro em salas de aula, só para colecionar diplomas na parede e fazer seus pais felizes;
 
Abraços!
 
 
Fonte: Nomade Digital
 
 
Por Daniel Saraiva em 7 de abril de 2014
Imagine um grupo de jovens, cada um de raça e estilo diferentes e visualmente nada em comum, porém os mesmos pensamentos. Assim são os jovens de hoje, todos se julgam diferentes, porém o “diferente” acabou se tornando comum, porque no final das contas o diferente é igual aos outros. Chega um momento em que você sente que seus ideais merecem ser mudados, que sua vida merece passar por uma reviravolta ou uma diferença drástica, pois até mesmo o que era novidade para você acabou se tornando monótono.
 
Assumir a diferença na vida é um pouco complicado. Adicionar novos hábitos e arriscar algo novo sempre causa aquele frio na barriga na hora de tentar, afinal os nossos piores inimigos são os nossos próprios pensamentos, que estão sempre nos levando para baixo com negatividade quando queremos tentar algo novo. O medo de falhar se torna maior que o de tentar, o medo de decepcionar as pessoas ao seu redor se torna uma verdadeira aflição. Porém, o que não aprendemos é que a vida é uma escada onde você tem somente três caminhos: descer, subir ou ficar parado. Não existe essa de ir para os lados, a escada é reta.
 
O que temos que ter em mente é que a vida é um eterno aprendizado, não importa quantos anos você tenha, sempre terá que aprender algo novo. Quando colocamos como objetivo na vida subir essa escada, não queremos descer, porém para se ter um experiência verdadeira é preciso descer dois degraus para que futuramente você consiga subir quatro.
 
Onde quero chegar com tudo isso? Sempre vejo jovens com ideias, projetos, mudanças em várias áreas da vida, porém que acabam sendo frustrados pelas pessoas ao seu redor ou até mesmo por si próprios sem ao menos ter tentado, tudo isso pelo medo de falhar. Sempre digo para as pessoas que você só irá amadurecer se passar por determinada situação. Você pode ser excelente no trabalho, em casa, com os amigos e em tudo isso ser experiente, porém você nunca teve um amor verdadeiro por medo de se decepcionar. Algumas coisas da vida só nos são válidas aprendendo e passando, não dá para viver de experiência dos outros. Isso também vale na área profissional, financeira, pessoal e tudo mais.
Lógico que um jovem não precisa fumar maconha para entender como vive um maconheiro, mas quando se trata de áreas profissionais, amorosas, religiosa e amizade, vale a pena quebrar a cara para adquirir aprendizado. São áreas onde o ser humano precisa viver e até chorar e que todos os momentos e situações devem ser vividas e arriscadas, afinal de contas foi quebrando a cara que surgiram as pessoas mais felizes do mundo.
 
Abraços!