Facebook Instagram Twitter Tumblr Youtube

Esse foi um comentário que recebi no meu perfil do Instagram por um fã do meu trabalho. A frase tinha um complemento que dizia: “as pessoas hoje querem ver vídeos”.  Tudo se deu por início quando me questionaram por que não virar youtuber, já que na sua teoria blogs eram muito chatos. O garoto que me mandou isso não me deixou chateado, porém fiquei a pensar e isso me levou a uma série de questionamentos e opiniões acerca desse assunto que preferi discutir por aqui.

Hoje, em 2017, o mundo gira em torno de vídeos e escrever um blog para pessoas lerem acabou se tornando um desafio, afinal é muito mais prático assistir um vídeo e ao mesmo tempo fazer outras tarefas ao invés de parar em frente ao computador/celular para ler. Tudo é muito prático e rápido, nos tornamos consumidores vorazes de informações e bastante exigentes quanto ao instantâneo. Mas nada disso me passava pela cabeça há 6 anos, quando criei este espaço. Imaginar que ficaríamos sedentos de informações instantâneas e que blogueiros se tornariam vlogueiros e digitais influencers parecia uma teoria pouco provável, só a ideia de se ganhar algo por meio de blogs para muitos já era algo surreal naquela época (daí já percebem que meu objetivo nunca foi esse). Informação e conhecimento eram prioridade neste espaço, as maiores ambições que eu possuía era passar meu conhecimento sobre lugares, profissão, moda e afins. Tudo porque em pesquisas na internet acabava me deparando com blogs vagos, com pouca informação e sempre falava para mim mesmo que poderia fazer melhor, justamente por sentir essa sede de textos mais aprofundados.

Mas sabe por que não desisto de ter um blog? Por que não se desiste de seis anos de vida narrados aqui em cada post.  Se pedisse para você esquecer seis anos da sua vida, você conseguiria? Pois para mim é o mesmo que pedir isso. Entendo que o comentário do garoto não foi para desistir do blog, apenas agregar a ele um canal do youtube. Porém, assim como existem blogs bons existem também os ruins e da mesma forma são os canais de youtuber. Talvez eu não seja um bom youtuber, mas isso não quer dizer que sou um blogueiro ruim ou que você precisa desistir do meu trabalho apenas porque não me rendi a mais uma rede social. Ler blog hoje em dia é como ler um livro, não pode ser feito de qualquer jeito e é preciso concentração e tempo, mas ainda existem muitas pessoas que fazem isso. Palavras te fazem viajar muito mais que o visual e é por isso que livros são melhores do que filmes, por isso que blogs são melhores que vlogs.

Há dias em que ver um documento do Word em branco esperando ser escrito quando não se vem nada na cabeça é torturante. Mas quando meus dedos começam a deslizar pelo teclado de maneira bem tímida e após alguns minutos isso se torna uma melodia de tão frenético o ritmo, isso faz com que eu me sinta realizado. E os comentários nos posts? Nossa, é como achar dinheiro na rua (e não estou falando de moedas). Talvez um vlog não me passaria essa mesma sensação, talvez mudar o termo de blogueiro para digital influencer não me faça sentir realizado, mesmo que seja só um canal ou apenas uma definição.

Acredito que nesse meio não é você que se denomina digital influencer, são as pessoas que dizem isso de você. Da mesma maneira o importante não é o que você faz, mas como você faz, é o sentimento transmitido em cada palavra ou vídeo. Talvez nunca consiga descrever em palavras a sensação a qual este espaço me passa, mas o carinho é tão grande que já cheguei a ficar horas ou até o dia inteiro lendo meu próprio conteúdo. A liberdade que ele me deu de poder construir minha própria carreira e encontrar meu estilo pessoal são conquistas que levarei para o resto da vida. E foi este blog que me fez enxergar muita coisa em mim.

É um livro que não tem fim, que a cada semana sai um novo capítulo contando um pouco de mim, mesmo que 5% em um texto de quatro a seis parágrafos. Pedir para abandonar este espaço para criar um canal no youtube é como se pedisse para um escritor parar de publicar suas obras e começar a gravar livros porque ninguém tem mais paciência para ler. Mais uma vez digo que não me sinto ofendido por mensagens com esse pedido, mas quero que entendam que não vou fazer um canal no youtube apenas porque todo mundo gosta de assistir a vídeos. Se for para fazer algo assim, quero o mesmo carinho e dedicação que tenho com este espaço, pois fazer de qualquer jeito não é a minha praia.

A pergunta que fica é: quem ainda lê blogs? Podem ser apenas outros blogueiros, amigos que querem conferir o que ando fazendo, modelos querendo dicas, pessoas que não gostam de vídeos ou pode ser mais específico: alguém que ama o que posto aqui. Como falei em posts antigos, não me importo se escrevo para 5 ou para 1000 pessoas, o importante é que sintam toda essa sensação que tento transmitir. Porque se tiver paixão vale toda e qualquer dedicação.

Abraços!